homem d gris

Monday, December 04, 2006

pouco menos q certo: além da vida há o nada

outrora publicado, então censurado e agora liberado, sob regime da circunstância – não temos mesmo clientes!


hoje quebrei a mão, a direita. aconteceu quando estava a socar a parede... e para acompanhar os dentes que perdi, inconsciente, enquanto dormia... e para não destoar das pernas, comprometidas, outrora encerradas em um cubículo, ao passo que eu, meio ereto, me masturbava ao contemplar putas gastas – pacientes do tempo, dos químicos e das agressões, umas previstas, outras nem tanto.

e tudo, isso e aquilo, além, tudo me deixa muito sossegado, quase que feliz... nem tanto em razão dos atestados, nove no último mês, mas também e principalmente porque o medo está perdendo a razão, e estou próximo, sinto, de me encontrar insensível, indiferente aos valores que violam hoje este desejo vivo de terminar a vida.

próximo... principio a gozar o percurso:

... é a fuça raivosa dos vizinhos, tarde da noite, espiando, através das frestas de suas portas entreabertas, os meus tropeços ébrios... galgando lento os degraus do condomínio, cantarolando melodia qualquer, incômoda...

... são as lágrimas secas da minha mãezinha, escorrendo virtualmente de seu rosto murcho, cansado...

... é a censura muda da parede manchada de sangue, companheira legítima...

... é a imagem afiada da lâmina de um bisturi que tirei do estojo de um amigo doutor, saturado que estou das feridas menores...

... são as mensagens, recadinhos educados e outros ainda prestativos, que estou a enviar, usando cá o indicador único da mão esquerda...

estou a ponto de me libertar.